20 setembro 2010

Porque o sagrado existe - Afonso Rocha Música Ketil Bjornstad * Preludes13 *



Porque o sagrado existe


Invento-te

a cada segundo
do meu corpo

porque o tempo não pára

Celebro-te

em cada respirar
da minha saudade

porque Deus me ensinou a amar

Beijo-te

como seara ao vento
transformada em pão

porque estou faminto de ti

Amo-te

em cada sonho
porque o sagrado existe

e num orgasmo uno de paixão
subo aos céus em teu templo nu

                    Desço
                    à dura realidade
                              e sorrio

                    porque
                              cada sonho meu
                        
                    é
                    um pedaço de TI


                                                                             afonso rocha

10 comentários:

OutrosEncantos disse...

"Porque o sagrado existe!"

Existe sim!
E é por ser sagrado que não é comentável!
Eu,
Tenho desde ontem,
Este teu poema
A saltitar no meu peito.
Ainda está lá.
Apenas consigo dizer que é dos poemas mais lindos que eu já li.
O video, a melodia, a imagem, em perfeita sintonia com o bailar das palavras.
Obrigada
por partilhares!

Amei!
Beijo.

Graça Pires disse...

Um poema para ler baixinho ou para rezar...
Beijos.

Nilson Barcelli disse...

Gostei do poema. Magnífico.
E da músiva/vídeo também.
Um abraço.

Lídia Borges disse...

O momento, um planar nas asas da paixão...

Lindo!

L.B.

Anónimo disse...

Olá Afonso
Há quanto tempo não nos encontramos?
Descobri-te aqui agora através do Luis Ene.
Belissimo este teu blogue, poemas gravuras esculturas... Tudo.
Vou passear por aqui com regularidade
Obrigado
Um abraço

Anónimo disse...

Afonso querido tou felicíssima pois ainda o mês passado estive em Faro...mas não consegui encontrar-te nos locais habituais que frequentávamos. Perguntei por ti mas disseram-me que andavas desaparecido.Perdi o teu nº de telm.
Fui visitar através de uma amiga o blog da Silvia Beirute e ela tem em destaque uma pintura tua. E daí, vim até aos teus blogues que estão um mimo. Amo o teu trabalho.
Que saudades. Uma semana destas rumo ao Algarve para ir ter contigo e jantarmos.Podemos ir depois até à quinta do meu avô. Ele ia adorar. Tem cavalos novos.
Beijo Afonso. Não imaginas como estou feliz. A tua honey (lembras-te?). Era assim que me chamavas quando me conheceste. Nunca esqueci.

Anónimo disse...

Afonso, desculpa não ter comentado os teus poemas, mas só agora é que li alguns.
És um artista completo. Estão soberbos. A história da caneta está linda. Recordo-me perfeitamente. Ofereceste ao João de Lagos que tocou com a Viviane dos Entre Aspas, não foi? Reparei que andas apaixonado,ou não? Ou é ficção?
Quero saber de tudo. Contas?
Vou enviar o meu nº de telem. para o email que tens no perfil.
- Beijos doces da Honey

quicas (joaquim do carmo) disse...

Belo e sensual poema, "porque o sagrado existe"! A prová-lo, a simbiose perfeita entre as palavras, a imagem e a música... encantador!
Abraço

Mari disse...

Templo.
E quando é templo é puro.
E mais puro ainda é o que diz FP: "O onanista é abjeto, mas, em exata verdade, o onanista é a perfeita expressão lógica do amoroso. É o único que não disfarça nem se engana."

:)

Vagabundo disse...

Aqui vejo a confluência da(s) arte(s): as imagens esculpidas, as desenhadas, as escritas, todas elas tornam-se uma coisa só, magnífica, de se admirar.
Grande prazer.