20 junho 2011

Teia - Poema de Afonso Rocha / Música de James Blunt - Goodbye My Lover




Teia

Recebi o punhal de mãos abertasE a salvação. Como quem recebe algo místicoMas com a sensação de presente envenenadoRoubaste-me o coraçãoDo peito aberto caem folhas secas, onde outrora dormiam frutos coloridos e docesRoubaste-me a seivaMeu corpo amolgado é prensado Restam apenas duas lágrimas. Uma de fel, outra de melRoubaste-me a matériaMas a vida renasceTransformado em húmusÁrvores gigantes com troncos hercúleos brotarão da terra negraOnde os escolhidos se abrigarão e serão amados.

Com sorrisos.

                                                                     afonso rocha

5 comentários:

Patrícia disse...

Gosto do enredo desta teia!

aurora disse...

Nesta teia se adivinha o entrecruzar de três poemas(um a branco , um a cinza e um colorido), que se completam para desvendar um corpo ao qual a alma foi roubada e o coração atingido...que vítima dum doce sofrer primeiro regista no final o eclodir duma nova VIDA! ( Alguém renascendo para o Amor!?)Lindo o que escreves e como o escreves...brigada Afonso

Mariz disse...

Sempre vai haver um novo amanhã e o amor renasce das cinzas e faz brotar a seiva no coração.

Estou te seguindo, mas a fotinho vai lá para o finzinho, tá...não sei o motivo.

beijos e ótima semana!
Mariz

BARBARA disse...

quase todos somos apanhados pela TEIA, mas ela ao contrário do que possa parecer, fortalece, imprimindo um novo olhar ao que nos rodeia...gosto da tua TEIA
beijo meu querido Afonso é bom passar por aqui e ler-te enche-nos...obrigado
Ana Bárbara

Graça Pires disse...

Bela música. Bela voz. Belo poema.
Obrigada pelo momento.
Um beijo.